Sábado, 23 de Outubro de 2021
 

Cristiano refaz asfalto em obra de avenida paralisada a quase 2 anos

“Valeta foi tampada com terra, gerando transtornos aos moradores” - “Prefeitura teve que pagar R$ 60 mil para empresa terminar obra”

“Prefeito havia feito a promessa que terminaria obras iniciadas”

Murutinga do Sul - Na segunda-feira (12/07), o prefeito Cristiano Eleutério Soares da Silva e o vice-prefeito, Celso Puttini – Celso do café, fizeram o anúncio da finalização do asfalto da avenida Amin Baracat, iniciada em 2019 e não concluída na administração anterior.

A obra objeto de convênio entre a Prefeitura de Murutinga do Sul e o Governo do Estado no valor de R$ 488 mil, com contrapartida de R$ 9 mil do poder público municipal, foi assinado em 2018 e iniciado os serviços da galeria em 2019, porém o asfalto da avenida que leva aos bairros Basílio Marcussi, Esmeralda e Conjunto Habitacional Paulino Pereira Assis estava sem conclusão.

“O que tínhamos de contrapartida nove mil reais, virou cento e cinquenta mil reais, aí o motivo da demora da entrega dessa obra. Tivemos que fazer um pagamento de sessenta mil reais para a empresa Dias de Araçatuba, para que a mesma vir terminar essa obra, então infelizmente ou felizmente, não estamos aqui para denegrir a imagem de ninguém, mas temos que falar a verdade com transparência.

Um dinheiro que poderia ser usado para comprar medicamento, para arrumar as estradas, para pagar novos médicos, nós temos que dar em contrapartida de uma obra mal fiscalizada, uma obra mal feita. Eu deixo aqui um desabafo, que era para termos terminado essa obra no início do ano, mas com muita economia financeira, conseguimos entregar hoje” – relatou o prefeito, Cristiano Eleutério.

O asfalto da avenida Amin Baracat, foi quebrado para a instalação da rede de galeria de águas pluviais, mas o asfalto não foi refeito, sendo tampada a valeta com barro, e em dias chuvosos geravam transtornos aos moradores da proximidade, e em dias secos a poeira era outro fator prejudicial.

Prometido em campanha pelo prefeito e vice, de que iriam terminar o obra, em apenas 6 meses de mandato, com as saúde financeira do município comprometida com parcelamentos de dívidas de impostos e com fornecedores, agora foi possível disponibilizar os recursos para concluir a obra.