Sexta-Feira, 30 de Outubro de 2020
 

Ex-prefeito desabafa sobre o fechamento da Santa Casa e o verdadeiro responsável

JUSTIÇA – Para o Ex-prefeito José Célio Campos , decisão do TCE restabelece a verdade sobre o culpado pelo fechamento do hospital - INVESTIMENTO – José Célio Campos instalou moderna UBS para garantir atendimento à população

Murutinga do Sul - O ex-prefeito de Murutinga do Sul, José Célio Campos, esperou quatro anos para se manifestar sobre o fechamento da Santa Casa do município. “É um desabafo”, disse José Célio, a quem foi atribuída a culpa pelo fechamento do único hospital da cidade.

Ele esperou calado, mas agora, o Ministério Público Eleitoral pediu a impugnação da candidatura à reeleição de Gilson Pimentel exatamente porque o Tribunal de Conta do Estado apontou irregularidades na gestão Irmandade Santa Casa no período em que Gilson Pimentel era prefeito e provedor da instituição. “Paguei um preço alto por algo que não tinha culpa, mas agora a verdade foi restabelecida”, disse José Célio Campos.

Quando assumiu a Prefeitura, em janeiro de 2013, sucedendo Gilson Pimentel, José Célio Campos disse que a situação da Santa Casa era de insolvência, com os diretores inscritos e órgãos de proteção ao crédito, sem condições de comprar até mesmo medicamentos e já não havia atendimento médico. “A equipe de enfermagem rezava para não chegar paciente, pois não tinha médico e material de trabalho”, lembra José Célio.

Para agravar ainda mais a situação, um credor de Andradina – empresa de factoring (trocava cheques) ajuizou ação de cobrança e o prédio ia para leilão. “Isso deixaria a cidade sem atendimento e toda a equipe da Santa Casa sem receber os direitos”, disse o ex-prefeito.

Diante dessa situação, buscou apoio do então governador Geraldo Alckmin para construir uma Unidade Básica de Saúde. O próprio governador sugeriu que ao invés comprar uma área para execução da obra, desapropriasse o prédio da Irmandade Santa Casa e instalasse a UBS.

Assim foi feito. Com apoio do governador, José Célio Campos desapropriou o prédio do hospital (a instituição Irmandade Santa Casa de Murutinga do Sul continua existindo). Com o dinheiro foi possível fazer o acerto trabalhista dos funcionários. No local foi instalada uma moderna UBS. Durante o período de obras, a unidade de saúde funcionou em um prédio sem estrutura, mas com atendimento até as 22 horas.

“Quando assumimos a Prefeitura, o hospital, que não tem direção independente, estava sem condições de funcionamento. Atuamos para evitar um problema maior”, disse José Célio Campos. No entanto, em 2016, durante a campanha eleitoral, Gilson Pimentel, que era provedor da Santa Casa e prefeito (2011 e 2012), período em que os problemas se agravaram, passou para a população que o José Célio foi o culpado pelo fechamento. Zé Célio atribui a este problema a sua derrota para Gilson Pimentel em 2016. Agora, a verdade veio à tona.

Irregularidades

Em várias decisões, o Tribunal de Contas do Estado apontou irregularidades quanto à gestão do hospital como na administração municipal, tendo Gilson Pimentel à frente.

“Para o digno julgador originário, inaceitável o acúmulo de funções de Prefeito e de Provedor da Santa Casa do Município de Murutinga do Sul pelo Responsável “instalando impertinente confusão entre o prestador e o tomador de contas dos recursos subvencionados, em desalinho com o princípio da moralidade, abrigado no artigo 37 caput da Constituição Federal”, diz decisão do TCE que rejeitou recurso apresentado por Gilson Pimentel.

Foi exatamente devido às irregularidades apontadas pelo Tribunal de Contas que o Ministério Público Eleitoral pediu a impugnação de sua candidatura.