Sábado, 26 de Setembro de 2020
 

A dor é a libertação da alma

Bendito aquele que vem em nome do Senhor! (Boa Nova, segundo Lucas, 13:35).

Em Como Vencer o Sofrimento (1990), explico que não se deve temer a Dor, porque ela é a libertação da Alma. Todavia, é preciso saber valorizar os ensinamentos de que ela dispõe para nos oferecer em nossa jornada.

Acerca de tão relevante assunto, o poeta brasileiro Cruz e Sousa (1861-1898), em Moradias de Luz, pela psicografia de Chico Xavier (1910-2002), trouxe-nos inspirado soneto:

“Sobre a dor”

“Suporta calmo a dor que padeceres;
“Convicto de que até dos sofrimentos;
“No desempenho austero dos deveres;
“Mana o sol que clareia os sentimentos;
“Tolera sempre as mágoas que sofreres;
“Em teus dias tristonhos e nevoentos;
“Há reais e legítimos prazeres;
“Por trás dos prantos e padecimentos;
“A dor, constantemente, em toda a parte;
“Inspira as epopeias fulgurantes;
“Nas lutas do viver, no amor, na arte;
“Nela existe uma célica harmonia;
“Que nos desvenda, em rápidos instantes;
“Mananciais de lúcida poesia”.

(Os destaques são meus).

De nada nos terá sido proveitoso o sofrimento se dele não tivermos absorvido as lições eloquentes.

José de Paiva Netto ― Jornalista, radialista e escritor. paivanetto@lbv.org.br — www.boavontade.com