Quarta-Feira, 17 de Julho de 2019
 

Cassação de Mário Gay deverá ser sumária e por unanimidade

Andradina – Mal iniciou o ano e o Poder Legislativo andradinense tem pela frente literalmente um tremendo abacaxi para descascar, com o vencimento do prazo para a finalização da CP – Comissão Processante que envolve o vereador Mário Henrique Cardoso o Mário Gay (ex-PPS).

Durante o recesso parlamentar, segundo comentários, o advogado do vereador averiguado teria solicitado a extinção da CP, por expiração do prazo regimental. No entanto, durante o recesso, o prazo deixa de correr, informou o presidente da Casa de Leis, vereador Carlos Alexandre Soares.

Durante a CEI – Comissão especial de Inquérito, o vereador Dr. Geraldo shiomi Junior se posicionou favorável a abertura da CP. Por desinteresse de outros vereadores, a comissão Processante corria o risco de ser extinta, Dr. Shiomi tomou a dianteira e assumiu a relatoria, dando continuidade as averiguações do colega. Diante do ocorrido, tudo leva a crer que Dr. Shiomi apresentará o relatório pedindo a cassação de Mário Gay. No caso, a situação do averiguado tende a piorar, uma vez que, Mário Gay precisaria de dez votos a seu favor para derrubar o relatório, isso sem poder sequer contar com o próprio voto.

Nos últimos dois anos, o vereador aprontou poucas e boas dentro e fora do Poder Legislativo, envolvido em agressões, ameaças de morte, assédio sexual, moral, constrangimento e para piorar, um assessor apresentou a justiça uma gravação onde supostamente Mário Gay exige parte do salário do servidor, cometendo o crime da chamada “rachadinha”, configurando extorsão.

Os fatos vergonhosos levaram a Câmara Municipal de Andradina aos noticiários em quase todos os canais de TV. Entretanto, os crimes iam sendo engavetados, sem nenhuma providencia, num claro corporativismo, que levou o vereador José Augusto Rosa (MDB), a usar a tribuna livre se dizendo envergonhado de sair às ruas e chegou ao ponto de deixar seu cargo na Mesa Diretora. Só a partir de então, o presidente a época Raimundo Justino, levou as denuncias para votação e foi aberto a CEI, agora transformada em CP.

Decisão da CP

Caso Dr. Shiomi indique a cassação de mandato no relatório, a tendência é que os demais vereadores sigam o relator numa votação breve, resumida e por unanimidade. Os políticos sabem bem o recado que o povo deu nas urnas nas últimas eleições, cujo resultado foi uma mudança geral, numa busca do resgate da família, do respeito e da ordem.

O eleitor deixou claro que não aceita mais político que não se comporte de acordo com a população que o elegeu. Ou o político senta na cadeira e faça valer cada voto recebido, ou literalmente está fora da vida pública. O Brasil mudou e agora o julgamento é sumário e a cassação por maioria absoluta.