Domingo, 22 de Outubro de 2017
 

Em São Paulo, Governo de Andradina e Ciensp buscam ampliação de debate sobre aterros sanitários

Tamiko convida autoridades para o “I Fórum de Resíduos Sólidos Urbanos”

Andradina - A prefeita Tamiko Inoue cumpriu agendas, na quarta (09) e quinta-feira (10), na capital paulista para um debate e convites para discutir soluções ambientais para os aterros sanitários dos municípios durante fórum que será realizado pela Ciensp (Consórcio Intermunicipal do Extremo Noroeste de São Paulo).

Tamiko, o assessor de assuntos estratégicos e ex-prefeito, Jamil Ono, e o presidente da Ciensp, o prefeito de Murutinga do Sul, Gilson Pimentel, cumpriram agenda na Casa Civil, no Município Verde Azul, na Secretaria de Estado do Meio Ambiente e na APM (Associação Paulista de Municípios) para convidarem as autoridades envolvidas no tema para o “I Fórum de Resíduos Sólidos Urbanos” da Ciensp, que será realizado no próximo dia 29 de agosto em Andradina, na Câmara Municipal.

Desde quando assumiu sua gestão, a prefeita Tamiko vem realizando estudos para que Andradina mantenha a atual qualidade de coleta e destinação do lixo, que é avaliado como um dos melhores do País.

Durante reunião na Secretaria de Estado do Meio Ambiente, com os assessores Diogo Ticly e Juliana Barros, e com o diretor de controle de licenciamento ambiental, Geraldo Amaral, foi entregue além do convite, um relatório prévio com informação e localização de um possível aterro regional.

Participaram também das discussões a assessores Keila Vianna e Sérgio Massayoshi. Já na APM, a comitiva foi recebida pelo presidente Carlos Alberto Cruz Filho e o vice-presidente, Marcelo Fortes Barbieri. Carlos Cruz já confirmou presença no fórum.

No Fórum está previsto a participação além dos municípios, do Governo do Estado, das empresas que tem interesse e tecnologia, e da Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo), responsável pelas diretrizes dos aterros.

A Ciensp se preocupa com o tema já que muitos municípios têm seus aterros com licença de operação vencida e dificuldades de conclusão do próprio aterro, além da necessidade da inserção de novas tecnologias, para reaproveitamento do lixo gerado.

Estudos do Estado vêm apontando como uma melhor solução a regionalização do serviço, devido aos custos e da atenção que se deve dar ao projeto, o que pode ser feito através de consórcios e associações, como é o caso da Ciensp, diminuindo os custos, facilitando à logística e resolvendo os problemas de forma conjunta.