Sábado, 17 de Agosto de 2019
 

Após expulsão de Alexandre Frota, DEM e PSDB aguardam resposta

(Foto: Prefeitura de Salvador)

Doria e ACM Neto convidaram Alexandre Frota para PSDB e DEM respectivamente

O deputado federal Alexandre Frota foi expulso do PSL na terça-feira (13). A decisão aconteceu após reunião comandada pelo presidente da legenda, Luciano Bivar. O PSDB e o DEM aguardam a resposta do deputado sobre qual partido ele irá se filiar.

A decisão foi tomada por todos os nove presentes na reunião e aconteceu por críticas que Frota tem feito ao presidente Jair Bolsonaro e aos deputados do PSL de São Paulo. Ao Congresso em Foco, o presidente do DEM, ACM Neto, afirmou que o ex-pesselista ainda não deu uma resposta.

Bruno Araújo, presidente do PSDB, não respondeu os contatos da reportagem. O presidente do PSDB-SP, Marco Vinholi, afirmou que não conversou sobre isso com o congressista, mas afirmou que ele "é um ótimo parlamentar".

Em mensagem compartilhada no Twitter no dia 17 de julho, Frota disse que recebeu convite para entrar no PSDB do governador João Doria (PSDB-SP). "Fiquei muito feliz de receber o convite do Dória. (...)Na verdade ele deixou as portas abertas do novo PSDB caso um dia eu venha a mudar de partido", afirmou.

Frota também está em atrito com congressistas do PSL em São Paulo e foi alvo de duas representações que pedem sua expulsão da legenda, uma do senador Major Olímpio (PSL-SP) e outra da deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP). Na semana passada, o deputado apagou seu perfil nas redes sociais. No Twitter, Frota se manifestava frequentemente contra questões defendidas pelo governo de Bolsonaro.

Em março de 2019, o deputado compartilhou no Twitter mensagem se descrevendo como “persona non grata no governo Bolsonaro” e que isso aconteceu por “defender a prisão do [Fabrício] Queiroz”, apontado em relatório do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras), por movimentações financeiras suspeitas. Queiroz é ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filho do presidente.

Frota também criticou a indicação do terceiro filho de Jair Bolsonaro, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) para ser embaixador do Brasil nos Estados Unidos. Outro ponto de atrito foi durante a votação da reforma da Previdência. O PSL fechou questão pela aprovação da reforma. O deputado agora ex-filiado ao PSL de São Paulo foi o único da bancada presente na votação que não votou a favor e se absteve no 2º turno.

A deputada estadual Janaína Paschoal (PSL-SP) saiu em defesa de Frota nesta terça-feira antes mesmo da Executiva Nacional decidir pela expulsão. "Não sei se tem alguma coisa particular que eu desconheço, o que veio a publico foram as manifestações do deputado, não sei tem outro problema ali. Não sei porque estão fazendo isso, eu não gosto", disse após se reunir com senadores favoráveis ao impeachment do presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Dias Toffoli.

Nota da Redação: Os artigos publicados neste espaço “Opinião” são de inteira responsabilidade de seus autores. As opiniões neles emitidas não exprimem, necessariamente, o ponto de vista do “Jornal Folha Regional de Andradina” e nem de sua direção.

Lauriberto Pompeu e Samanta do Carmo-Congresso em Foco.